Home Fóruns Fórum BETA Pokémon competitivo Reflexões Sobre o Jogo & Comunidade, Análise de Partidas

Reflexões Sobre o Jogo & Comunidade, Análise de Partidas
    Yes
    Membro
    Trainer Card:
    Post count: 53
    Pkdollars: ₽ 2.015
    Likes: 16
    #13758 QUOTE

    Alô pessoal, bom dia / tarde / noite para quem estiver lendo esse tópico. Entre ontem e hoje, por vários pequenos motivos (que eu ainda vou citar depois nesse tópico), eu decidi fazer algumas reflexões sobre várias experiências que eu tive na EVO ao longo dos anos, e compartilhar algumas dessas impressões com vocês, com o objetivo de (talvez?) acender uma faísca de interesse de quem estiver lendo esse tópico, e também servir como um incentivo para que mais pessoas compartilhem as suas experiências não só como players, mas também como membros da comunidade.

    Contexto, mucho texto e momentos bate-papo UOL

    Algo que eu percebo muito na internet, é como certos elementos da comunidade mudam aos poucos, mas quando a gente se dá conta, e tenta “traçar” uma linha do tempo, fica claro que tal mudança é muito maior do que a gente esperava. Por exemplo, ao redor de 2014, eu lembro que a antiga EVO tinha uma estrutura muito mais diferente na época, que não se reflete só nessa comunidade, mas na internet como um todo.

    Fóruns que eram mais populares há uns anos entraram em uma decadência bem gradual (exceto Smogon, sepá); a gente teve uma espécie de ascenção e queda entre msn > Skype > Discord como a forma principal de comunicação, embora eu tenha que destacar também o irc, que se não me falha a memória, foi meio que um obstáculo pra quem queria fazer tryouts pro baril há uns anos. Antigamente não existiam tantos torneios em equipe, enquanto hoje em dia a gente tem uma “x coisa Premier League” a cada duas semanas, e por aí vai. Apesar dos pesares, eu sinto que essa barreira “metafórica” de vez em quando se torna um aborrecimento até hoje, por exemplo, pra quem quer jogar uma WCoP ou SPL da vida, conquista bons resultados na comunidade da EVO, mas não consegue visibilidade o suficiente pra ser draftada(o) (acho que uma das exceções à regra por agora seria o TNDT, e olhe lá). Mas no fim do dia, não tem jeito, a melhor forma que um potencial jogador “promessa” teria de entrar em uma WCoP ou SPL da vida, seria jogando bastante na comunidade no smogon (estou excluindo o fator “qi” vulgo “quem indica”), mas isso é conversa para outro dia. Cada “era” de cada comunidade teve seus altos e baixos, embora o fator nostalgia acabe batendo as vezes.

    Mas em uma ocasião ou outra, seja por curiosidade ou pela memória afetiva, eu curtia (e ainda gosto muito) de fazer um lurk ocasional em uns tópicos antigos da EVO, fazer uma nova leitura de certos RMTs, guias, ou relembrar a run do Baril em época de World Cup ou tretas em tópicos de tryouts, só pra tentar reviver algumas boas memórias (e outras nem tão boas) ao longo dos anos. Pena que hoje em dia esses tipos de recursos são mais incomuns, pelo menos na comunidade BR. Ironicamente, a qualidade de recursos da smogon ao longo dos anos seguiu um caminho inverso e cresceu bastante, pelo menos se for comparar com comunidades menores (ex: mais Sample Teams elaborados, sistema de replays & tutores mais beginner-friendly), e por aí vai.

    Alguns dos posts BR didáticos que eu mais gostei de ler, a propósito, pra quem tiver interesse:

    Guia de RBY do Teta (vou continuar cobrando ele o guia até o fim dos tempos -_-): https://www.tapatalk.com/groups/pokeevo/bullshitagens-3-os-quatro-gigantes-parte-1-t22303.html
    Histórico do Baril na WCoP: https://www.tapatalk.com/groups/pokeevo/banana-time-1-cultivando-as-bananas-t21752.html
    Guia de leads em DPP do Tama: https://www.tapatalk.com/groups/pokeevo/dppt-ou-1-lead-matchup-t20537.html
    Guia de ADV do Kenny: https://www.tapatalk.com/groups/pokeevo/adv-ou-1-introdu-o-ao-competitivo-de-rse-t20648.html
    RMT de XY NU do Mili: https://www.tapatalk.com/groups/pokeevo/xy-ru-la-dryade-t22138.html
    Um dos últimos (?) posts da EVO, lá em 2017: https://www.tapatalk.com/groups/pokeevo/a-comunidade-anteriormente-conhecida-como-pokeevo-t26162.html

    Mas ao mesmo tempo, eu sinto uma espécie de dilema – uma parte de mim se sente um pouco presa ao passado e precisa seguir em frente, mesmo reconhecendo que certos aspectos culturais da comunidade / internet vão sempre continuar mudando, assim como as próprias pessoas que a gente conhece ao longo dos anos – pra quem joga há bastante tempo, é natural simpatizar muito com o sentimento criar laços com pessoas muito legais, e eventualmente sentir aquele vazio, quando tais companhias acabam ficando menos e menos ativas, até o dia em que você nunca mais encontra tal pessoa / grupo de pessoas jogando ativamente, mas acontece. Por outro lado, tá na nossa natureza mudar um pouco ao longo dos anos, já que conforme a vida passa, a gente vai adquirindo novos interesses, novas responsabilidades, e chega a um ponto que não dá pra fingir que você pode jogar uma partida e ter a mesma euforia do seu mesmo “eu” de uns 5, 10 anos atrás.

    Esse metagame de SV já ativa o meu lado mais “preguiçoso” por exemplo! O metagame muda quase todo mês, volta e meia tem alguma DLC, e eu já não tenho tanta disposição / afeto / tempo pra me aperfeiçoar nesse formato. Então por esse e outros motivos, eu acabo esbarrando em torneios de oldgen com mais facilidade, já que o fator tempo e fator aprendizado não se tornam um grande obstáculo para mim. Mas esse ponto de vista sempre vai mudar de pessoa pra pessoa, é claro.

    Esbarrando em Torneios

    Como eu falei antes, pessoalmente eu considero bem importante ter um equilíbrio “saudável” ao entrar em torneios. Eu, vagabundo como eu sou, não posso me dar o luxo de ficar entrando em um possível torneio de SV, já que isso me faria ser um fardo em “x” time caso eu não tirasse boa parte do meu tempo pra me dedicar ao grind e passar boa tarde do tempo na ladder, que pode ser muito tiltante por sinal. Mas em oldgens (especialmente GSC), isso não acontece, por ser um metagame onde eu me sinto confortável e gosto de jogar até hoje.

    Inclusive eu não estava planejando entrar o IC que teve esse ano, mas depois esbarrei com o Jeff (vulgo melancholy hills) sugerindo que eu entrasse no IC, já que eu poderia jogar GSC. No mundo ideal, eu gostaria de jogar com a SpDy pelo fator de memória afetiva, já que eu quase sempre me divertia ao ganhar, ou ao pipocar em finais junto com o pessoal do clã, mas enfim… esse ano o pessoal eu preferi nem me preocupar em me dar o trabalho de recrutar o pessoal. Então Jeff perguntou se eu queria jogar por outro time, e eu pensei: “ok! só vamo então” – na verdade eu pensei que eu ia ter o Jeff como teammate, mas no fim das contas, me contentei em ser o jogador freelancer, e ver no que dava. :clown:

    Pré-jogo, Jogo, e Pós-jogo

    Uma das coisas mais legais que acontecem quando a gente joga um torneio de time, é a experiência de um “todo”. As vezes seu time depende de uma vitória importantíssima pra avançar pra semis / final / vencer o torneio, e chega a altura do campeonato (em sentido figurado e literal, heh) onde praticamente quase todo jogo que tá aquela espécie de empolgação! É meio que uma sensação que não dá pra replicar, quando alguém joga um torneio individual.

    Dito isso, até hoje eu tenho uns problemas bem chatos com o “efeito cagaço”: leia-se ficar nervoso / ansioso antes de alguma partida, auto-cobrança, fator pressão ao jogar partidas importantes, e por aí vai. Tudo bem que isso melhora um pouco conforme a gente ganha experiência, mas pessoalmente, eu sempre fico em uma mistura de impaciência pro jogo começar, um pouco de nervosismo, e um pouco de empolgação também.

    Mas no fim do dia, algo que eu quase sempre repito pra mim mesmo, é pensar na ideia de que: “Leandro, você deve fazer tudo que tá dentro do seu controle”. Nesse sentido, chega uma altura do campeonato onde a gente não pode ficar se lamentando tanto por elementos externos como RNG e match-up. Sim, esses elementos sempre existiram e vão continuar existindo em Pokémon, mas acho que o fator mais excepcional para a gente fazer uma boa performance é desenvolver uma sensação boa de autoconfiança. Nesse sentido, eu tento falar pra mim mesmo que eu não vou ficar desapontado comigo mesmo, desde que eu faça uma boa partida, e traga um time que eu goste. Claro que eu preciso admitir que em certos casos (especialmente nos meus primeiros competindo) eu meio que me considero até hoje como um mau perdedor, o que não é algo muito bonito de admitir.

    Mas isso também tá na natureza da competição, ao longo dos anos eu demorei pra simpatizar um pouco mais com a perspectiva de que meu adversário também tá se preparando, e também tem a intenção de vencer, então em uma partida de alto nível, sempre vão ter esses “nivelamentos” na mentalidade de “x” jogador. Por bem por mal, uma pessoa ganha, e uma pessoa perde, tá na natureza de competir com alguém, mas enfim… repetindo o que eu disse no parágrafo anterior, eu sinto que eu faça boas decisões ao longo da partida, e desde que eu tenha dedicado um tempo pra me preparar & cuidar de mim mesmo, eu posso aceitar tanto uma vitória onde eu fiz o meu melhor, quanto uma derrota onde eu fiz o meu melhor.

    Meu processo de preparação é meio entediante. Eu gostaria de ser um jogador mais espontâneo, estilo “porra louca”, que simplesmente traz um time que gosta, e vê no que que dá. Mas infelizmente, eu não consigo, ter uma base pra me sentir confortável antes do dia do jogo é super importante pra mim no fim das contas. Pessoalmente, eu valorizo muito a ideia de conciliar o auto-scout, com o scout do adversário – existem muitas situações onde você pode tentar trazer”x” ideia contra “y” jogador, com a seguinte linha de raciocínio: “uau, ele só usa HO / Stall” então só preciso contra-atacar ele com tal ameaça rápida / stallbreaker”. Mas na partida de verdade, existem incontáveis situações onde o adversário sai da zona de conforto, e o tiro sai completamente pela culatra, e é uma sensação bem bosta quando você, ou um teammate seu traz um time questionável, por causa de uma tentativa de counterstyle / counterteam que deu errado. Ou pior, você se prepara demais, tem um burnout, enquanto seu adversário te owna escolhendo os primeiros times do teambuilder dele. Trágico.

    Então, eu enxergo a preparação como um exercício onde você desenvolve a auto-crítica, mas ao mesmo tempo não fica paranóico demais com a escolha do seu time. Tem situações onde a gente testa “x” time demais, e acaba achando que ele é uma call ruim (quando não é, as vezes a gente só tá numa sequência ruim de derrotas, ou tá tiltado). Por bem ou por mal, tem coisas que a gente só aprende tomando uma surra jogando contra o adversário, mas desde isso sirva como uma base para você desenvolver seu estilo de jogo, e te tornar uma pessoa autêntica jogando e tomando boas decisões, acho que não tem nada do que se arrepender.

    Times do IC, Contexto e Mini-Análises

    Automotivo Bibi Fogosa

    Replay:
    https://replay.pokemonshowdown.com/gen2ou-2070607161

    Eu não vou entrar muito em detalhes sobre o processo de preparação nem nada do tipo, mas posso dizer que eu fiquei contente com a escolha desse time do fim do dia. Essa é uma base bem conhecida de Stall (onde eu só troquei Forretress por Cloyster), e o plano é utilizar as engrenagens ofensivas (Snorlax + Spikes, Raikou + Spikes, ou Tyranitar + Spikes) para sobrecarregar as defesas do adversário a longo prazo.

    Em retrospectiva eu misplayei contra o Nidoking… ele revelou Thief + LK, então não pensei que ele usaria Nidoking sem Thunder, mas felizmente ele não clicou Thunder tão cedo, então consegui manter os Spikes em campo. Starmie foi importantíssima no meio da partida, pois era o porto seguro que impedia o time de ser quebrado por Machamp. Com o suporte de Spikes a longo prazo, consegui encontrar um ângulo realístico para um sweep de CurseTtar após o Machamp / Nidoking do meu adversário ficarem fora de ação. Com exceção do turno onde eu não scoutei tão bem Nidoking, acho que deu pra fazer um jogo mais ou menos convincente – se bem que em retrospectiva, eu acho que meu endgame foi bem torto, se o Snorlax do Inder pegasse vários críticos de Double-Edge eu tecnicamente perderia… mas deu tudo certo no fim do dia.

    L.O.V.E

    Replay: https://replay.pokemonshowdown.com/gen2ou-2076760135-qu4isduli0fz3ltv4m7ufhs0okojmjipw

    Nesse caso, eu não tinha tanta intel sobre a AoD, então com exceção dos Offenses hipóteticos que vieram a minha cabeça (talvez Sample Teams, ou times do Kyle?), eu não sabia muito o bem o que trazer contra ele, mas eu queria algo decente contra Offense. Jynx foi uma abertura excelente contra Smeargle, e o Lovely Kiss + Substitute faz um ótimo serviço identificando e pressionando os componentes de Baton Pass do meu adversário. Em retrospectiva, no Turno 7, o Scizor infelizmente acorda mais cedo do que o esperado, sendo que Golem poderia ter sido uma play mais segura, mas felizmente eu também tenho um pouco de sorte com o miss de Rock Slide, e o Cloyster com 100% de HP deixa meu jogo nos eixos a curto prazo. Golem foi o MVP da partida nesse midgame, já que além dele neutralizar tentativas de Baton Pass, ele também pode clicar Earthquake a vontade (já que essa base de Baton Pass do Daisuke não tem Ground-resists).

    Apesar da Jynx ter tomado um crit complicado contra Jolteon, eu não me arrependo da jogada, pois Jynx era um midground ótimo entre Hidden Power Ice / Water de Jolteon, e a tentativa de dar Baton Pass pra DrumLax ou Marowak. Mas mesmo com o crit, consigo fazer uns pivots que impedem que Machamp se destaque tanto, e no endgame, Cloyster ironicamente se torna uma ameaça e tanto e finaliza, já que ele ameaça Marowak e é uma forma proativa de impedir que Snorlax clique Belly Drum (independente dele me outplayar com Protect ou não).

    Don’t Go Near the Water

    Replay: https://replay.pokemonshowdown.com/gen2ou-2082391525

    Eu reparei que o clã do meu opp estava spammando um time de Snorlax / Zapdos / Quagsire / Miltank / Ttar / Starmie, então eu queria ter certeza de que ficaria segurando enfrentando esse time… eu não sabia se eles iriam repetir o mesmo time pela 3ª vez, mas deu certo! Com o chip certo, Tyranitar já não ameaça o proibido Giga Drain Gengar do BOS, que também além de wallear Miltank, ameaçava Starmie envenenada de Quagsire. Pensa num bicho útil nessa partida.

    Tentei ser paciente com Spikes na medida do possível, e valeu super a pena. Eu só explodi Gengar e Exeggutor nas situações onde as defesas do Stall adversário ficassem muito sobrecarregadas a ponto de Quagsire não conseguir uma oportunidade pra clicar Belly Drum, pra início de conversa. Com exceção de um pequeno misplay / jogada gananciosa aqui e ali, acho que deu pra fazer uma partida honesta. Zapdos + Gengar + Spikes, e Zapdos + EQ Pursuit Ttar + Spikes são ótimos ângulos para facilitar endgame da ave, caso eu consiga sobrecarregar ou remover a wall especial do adversário (geralmente Raikou ou Snorlax).

    James

    Replay: https://replay.pokemonshowdown.com/gen2ou-2088371676

    Essa foi a única partida onde eu de fato, não me preparei. Aparentemente, TODO MUNDO da EQ decidiu jogar nojohns, e eu era o único que não sabia disso (pois foi o dia onde eu tinha dado uma saída com a família no domingo). Além disso, nem carreguei meu celular ao sair, então nem dar uma espiada no discord eu consegui fazer… e quando eu chego em casa, eu me deparo com o Spl4sh me falando que a gente tá f*cking 3-4, e a minha vitória ou derrota seria decisiva pro time ir pro tie-break, ou ser eliminado direto. Não posso dizer que não fiquei com uma baita borboleta no estômago no início, mas depois eu fiquei animado pra tentar fazer uma performance clutch. Acho que independente dos resultados, foi um dos momentos mais legais e engraçados que eu tive nesse IC @_@

    Enfim, eu carreguei outra base ofensiva, que usa e abusa do suporte de Zapdos + Spikes, Snorlax + Spikes, ou Gengar + Spikes para identificar e remover os obstáculos certos, que ao mesmo tempo era a minha zona de conforto. O miss de Toxic no Cloyster me preocupou um pouco, já que isso deixaria o serviço de Golem mais difícil se eu quisesse spinnar, mas por outro lado, eu pego um crit muito bem-vindo no mirror de Zapdos vs. Zapdos, que deixaria meu próprio Snorlax menos sobrecarregado. Meu endgame foi complicado, eu quase perdi – acredito que a interação de Snorlax vs. o Gengar do andre foi um coinflip se bobear (em retrospectiva, Explosion fazia sentido para Espeon limpar meu time, mas nada me impedia de jogar meu Gengar no Gengar dele e sair no lucro… então é).

    Apesar dos pesares, fiquei orgulhoso de mim mesmo ao respirar fundo, tirar o timer pra pensar, tentar me colocar do meu adversário, e pensar “o que ele faria nessa situação?”. Tem coisas que são difíceis de explicar de um jeito teórico, mas por via de regra, faz muito bem confiar no próprio “feeling”, desde você pode negociar suas desvantagens se algo der errado.

    O Laudo

    Eu sei que é meio bobo, e talvez meio fútil fazer essa parede de texto em pleno 2024 onde quase ninguém liga pra ler post de fórum (que fica mais e mais obsoleto ao longo dos anos…), mas eu prefiro enxergar por esse lado: se eu conseguir fazer alguém ler esse texto, e essa leitura melhorar o dia de alguém, isso significa que o meu propósito tá feito aqui. Eu lembro que quando eu comecei a jogar, eu achava super legal quando o pessoal do baril e relacionados (Teta, Thiago vulgo Kenny S, Solar, Tama, etc.) postavam alguns guias super legais, e foi EXATAMENTE essas leituras, somadas com o senso de comunidade que eu tinha com uma parte legal do fórum da EVO (quando ele era ativo, obviamente), que me fez continuar tento interesse em continuar jogando, mesmo que seja só de vez em quando.

    Algo que geralmente (mas nem sempre) me ajuda um pouco, é tentar observar certas coisas pela perspectiva de: “não fique triste porque acabou, fique feliz porque aconteceu”. Nesse sentido, dá pra dizer que eu tive sorte de ter conhecido muita gente gente fina ao longo desses anos, só não vou citar nomes porque eu tô com preguiça, mas espero que os entusiastas de Pepex-Chan / pessoal que eu conheci pela Coletânea EVO / BOS / ex-membros da ffc ou SpDy esbarrem nesse texto algum dia.

    Bem, essa é a minha deixa, caso tenha alguém lendo esse texto até agora, espero que você tenha se entretido com a pseudo PokéBíblia. See ya =)

    Rewer
    dorb
    Membro
    Trainer Card:
    Post count: 20
    Pkdollars: ₽ 1.170
    Likes: 2
    #13824 QUOTE
Visualizando esse tópico: Guest #01.